pt-brenes

Bloco K: Novo leiaute de registro exige adaptações nos controles das empresas

  • Bloco K: Novo leiaute de registro exige adaptações nos controles das empresas

    Bloco K: Novo leiaute de registro exige adaptações nos controles das empresas

    Desde 1º de janeiro de 2017 uma nova obrigatoriedade em relação ao Bloco K (Controle da Produção e do Estoque) deve ser observada pelos estabelecimentos industriais pertencentes a empresas com faturamento anual igual ou superior a R$ 300 milhões, para fins de registro na Escrituração Fiscal Digital (EFD).

    Voltada para o controle da produção e do estoque, nesse primeiro momento, a escrituração fica restrita à informação dos saldos de estoques escriturados nos registros K200 (Estoque Escriturado) e K280 (Correção de Apontamento – Estoque Escriturado), para os estabelecimentos industriais classificados nas divisões 10 a 32 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE).

    O Bloco K (Controle da Produção e do Estoque) inclui informações de consumo (quantidade) da produção, insumos utilizados como matéria-prima, material de embalagem, e deverá ser apresentado no arquivo da Escrituração Fiscal Digital do ICMS e do IPI (EFD – ICMS/IPI), que é obrigatória para todos os contribuintes desses impostos.

     

    Para fins de registro na EFD – ICMS/IPI, desde o início de 2017, uma nova obrigatoriedade relacionada ao Bloco K deve ser observada pelos estabelecimentos industriais pertencentes a empresas com faturamento anual igual ou superior a R$ 300 milhões.

     

    A Fazenda instituiu um cronograma para a implantação completa do novo modelo de escrituração, que vai até janeiro de 2022 para as empresas com maior faturamento. Já as empresas com faturamento anual igual ou superior a R$ 78 milhões, a obrigação deverá ser atendida a partir de 1º de janeiro de 2018. Em 2019 será a vez de todas as demais empresas.

    Na última semana, especialistas no assunto estiveram reunidos no IV Fórum Nacional sobre o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) e Educação Digital, promovido pela Associação Brasileira de Advocacia Tributária (ABAT), para debater os riscos e as vantagens que o novo modelo de registro oferece.

    Segundo o palestrante Antonio Sérgio de Oliveira, as empresas precisam ficar atentas ao fato de que, mesmo não enquadradas no grupo de faturamento abrangido por essa etapa inicial, elas podem ter de desenvolver registro no Bloco K (Controle da Produção e do Estoque) quando operam com empresas que precisam cumprir com a obrigação, uma vez que o Fisco cruza informações entre encomendantes e industrializadores.

    “É preciso olhar para a minha obrigação, mas também para a de quem está fornecendo para mim, porque ele pode colocar dados no Bloco K ou mesmo no Bloco H e enviar para o Fisco. Ou seja, alcança muita gente que pode não estar percebendo a abrangência da mudança”, pondera Oliveira.

    Pelas novas regras, por exemplo, um industrializador em regime periódico de apuração e não sujeito ao Bloco K (Controle da Produção e do Estoque), caso receba um cliente que tenha a obrigação de entregá-lo, precisará observar a ficha técnica do encomendante e fornecer os dados para registro em formato adequado ao leiaute do novo evento. “Comercialmente, vai se sujeitar a cumprir as regras do Bloco K para não correr o risco de perder o cliente”, explica o especialista.

    Durante o evento o professor Benedito Corrêa comentou alguns pontos que geram dúvidas, como a alteração feita na legislação para acrescer a ressalva de que somente a escrituração completa do Bloco K (Controle da Produção e do Estoque) na EFD – ICMS/IPI desobriga a escrituração do Livro modelo 3, conforme previsto no Convênio s/nº, de 15 de dezembro de 1970. Segundo ele, redação deixa margem para questionar a necessidade de entrega do Bloco K (Controle da Produção e do Estoque) simultânea ao Livro.

    Também destacou as dificuldades que as empresas relatam para a organização de processos e controles, tendo em vista a existência de planilhas e estoques em mais de um lugar, e alerta sobre possíveis incoerências entre Ficha de Conteúdo de Importação (FCI) e Código de Situação Tributária (CST), no caso dos produtos importados.

    Corrêa explica que a empresa que deixar de gerar o Bloco K pode perder créditos e que, apesar de qualquer dificuldade e resistências iniciais, o Bloco K pode favorecer o melhor conhecimento dos estoques, evitando perdas. Para ele é importante conscientizar o maior número de colaboradores, documentar e alinhar os responsáveis pelo bloco e favorecer ambientes de testes para a adequada homologação do sistema.

    De acordo com o especialista, é preciso levar para as empresas não só os desafios, mas os ganhos que se pode ter com o Bloco K (Controle da Produção e do Estoque).

    Embora exista a preocupação com investimentos, aumento de trabalho, custos etc., o Bloco K (Controle da Produção e do Estoque) pode ser um aliado para evitar perdas.

    Ao que se chama de “desmontódromo”, em que a empresa terá de rever processos e traçar um novo detalhamento, Corrêa considera que pode ser útil todo o excesso de zelo, favorecendo sistemas de logística reversa, sustentabilidade, descartes e processos de reciclagem.

    Segundo o advogado e especialista na legislação do ICMS/IPI/ISS do Cenofisco, Valdir José Esteves Pereira, com a inclusão do Bloco K (antigo Livro modelo 3 de controle da produção e do estoque) no projeto SPED, sua versão passa a ser digital. “Com essa inovação, tanto Fisco estadual como Fisco federal estarão fechando o cerco com o objetivo de minar aquele velho problema da ‘sonegação fiscal’. Assim, devem as empresas, obrigadas ou não a tal apresentação, se conscientizarem de que é preciso se organizarem para evitar futuros problemas fiscais.”

    Fonte: Contadores.CNT.BR.

    Compartilhe:Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
  • Voltar